Destralhar roupa e sapatos com o método konmari - parte II

Continuando o post anterior (vê aqui a parte I), tudo o que estava gasto/velho foi para o saco do lixo (atenção que não é o lixo comum, coloco nestes contentores que reutilizam as peças para produzir outros materiais). Tinha imensa roupa de andar por casa super velha. Sempre tive este hábito: de colocar a roupa que já não quero usar na rua, por estar velha, na gaveta da roupa para andar em casa. Mas será que em casa devemos andar assim, mal vestidas? Acho que não! Na nossa casa devemos sentir-nos bem e confortáveis. Assim adeus roupa de andar em casa! Tenho imensa roupa de desporto e é essa roupa que uso em casa, por ser confortável e prática. Assim quando quero passear com o meu cão e praticar yoga, já estou pronta!

Livrei-me das botas da neve, depois de 7 anos sem as usar!! Comprei estas botas porque já vivi no Alaska e lá precisava mesmo de as usar, mas não conto viver na neve e também não me parece que alguma vez irá haver assim tanta neve no Porto que justifique o uso destas botas! (aqui não neva pois claro!) Se visitar algum sítio com neve uso galochas.
Dei mais 2 pares de botas que estavam em mau estado (e que já por diversas vezes tinha levado ao sapateiro para arranjar) e 2 pares de melissas que me magoavam.
Livrei-me do calçado mais óbvio, o resto fica para o próximo post em que irei mostrar todos os meus pares de sapatos.

Quanto aos acessórios tenho muito poucos, mas mesmo assim livrei-me de coisas que não uso: um cinto, uma bandolete, 4 pulseiras e um lenço. Fiquei apenas com 2 fios, 6 anéis e um brinco (ear cuff). Não uso brincos nem relógio há muitos anos. Como só tenho 3 echarpes e um lenço, consegui guardá-los na gaveta das t-shirts)

Tive coragem e fui mesmo realista comigo, pois sei muito bem a roupa que já não uso há mais de 1 ano ou que só usei uma ou duas vezes, o que do meu ponto de vista não compensa manter. Adeus roupa de casamentos e festas (mantive só um vestido e uma saia). Adeus peças originais e caras que não uso! (algumas vou tentar vender).

Custou bastante, porque ficamos presos ao passado pelas mais variadas razões “Esta roupa lembra-me a situação x”, “Foi um presente muito especial” “Eu sou fã de melissas por isso não me posso livrar de nenhumas, faço colecção (sim eu sempre me considerei uma coleccionadora de melissas!”, enfim 1001 razões. E como eu já destralhei muito, desculpabilizo-me "afinal já dei tanta coisa, posso ficar com mais algumas". Não pode ser! Se levo isto do destralhar a sério, se leio tanto sobre o assunto, se partilho imensas dicas no blog, tenho mais é que aplicar tudo isto na minha vida, não deixando nada de fora. Portanto “falei” literalmente com cada peça e tentei perceber a razão pela qual queria manter aquelas coisas no meu armário só a ocupar espaço. Percebi que estava presa ao passado, ao valor e originalidade de algumas peças, o que não faz sentido nenhum, pois defendo que devemos concentrar-nos no momento presente. E o workshop fez-me reflectir muito sobre isto. Portanto disse adeus a imensas peças que adoro mas que não uso e aceitei a realidade! Praticar o desapego é libertador e por mais que nos custe, faz-nos um bem incrível!

Dobrei toda a roupa segundo as regras da Marie Kondo e confirmo que faz toda a diferença. Poupa-se imenso espaço. Também arrumei as meias como ela recomenda. Costumava fazer aqueles rolinhos com as meias e de facto isso danifica bastante o elástico.

Graças ao workshop da Ligia e da Rita fiz algumas alterações a algumas peças e usei o método da Rita (a técnica do evelope que é semelhante à da Marie Kondo com apenas uma diferença: no final fecha-se cada peça como se fosse um envelope).

Costumava ter a roupa interior numa das mesinhas de cabeceira, mas esse lugar não era o mais prático. A roupa deve estar toda próxima, pois de outra forma perdemos imenso tempo. Depois de destralhar consegui arranjar espaço para colocar uma caixa que não estava a ser usada, com toda a roupa interior. Nesta caixa também coloquei os meus anéis que cabem todos numa mini caixa.

No final arrumei as malas/carteiras e livrei-me de duas.
Uso a mesma mala todos os dias durante a semana. No inverno uso uma mais própria para esta estação e no verão outra. Aos fins-de-semana uso sempre uma mochila ou uma mala mais pequena dependendo das situações. Assim não tenho que perder tempo ao final do dia ou na manhã seguinte a escolher a mala que quero usar e a trocar as coisas de mala. Está sempre tudo pronto a sair.
Arrumei algumas malas dentro de outras, tal como recomenda a Marie Kondo, pois assim ocupa-se muito menos espaço.
Tenho apenas 2 fios que estão pendurados nas dobradiças das portas com um gancho (podes ver abaixo do lado direito, junto à porta).

O que separei para dar/vender
1ª parte do armário: depois
2ª parte do armário: depois
Depois: gavetas
Para terminar actualizei o meu ficheiro capsule wardrobe, onde adicionei novas peças que preciso de substituir e retirei as peças que destralhei. Neste ficheiro não incluo roupa de desporto/pijamas e roupa interior.

Acrescentei também ao meu ficheiro o n.º de peças que ainda acho que tenho a mais comparativamente com o objectivo das 65 peças (atenção que este n.º é o ideal para mim e para o meu estilo de vida). Falarei sobre o meu capsule wardrobe anual num próximo post.

Em jeito de resumo, quando queremos destralhar/organizar a nossa roupa devemos:

Nota: enquanto preparava este post voltei ao meu armário umas 4 vezes, para tirar mais peças e para arrumar as coisas de outra forma. Aqui já o apresento no seu estado final.
Portanto se não conseguires destralhar e organizar tudo de uma só vez, não te preocupes, faz parte e sinceramente até acho que seja melhor assim, pois permite-nos tomar melhores decisões e assim não nos arrependemos .

E desse lado tens alguma dica que gostasses de partilhar?

Etiquetas: ,