A caminho do armário-cápsula para todo o ano: 60 peças - parte I

21 abril 2017

Se não sabes o que é um armário-cápsula consulta este post ou ouve este podcast que fiz sobre como simplificar o guarda-roupa (tem imensas vantagens, como vestirmo-nos de forma rápida e deixarmos de dizer que não temos nada para vestir e também descobrir o nosso estilo e aquilo de que realmente gostamos).

Comecei por ter um armário-cápsula para cada estação, mas depois achei que fazia todo o sentido ter um para todo o ano (no final deste post partilho uma foto do meu guarda-roupa actual!). Afinal não queria estar com o trabalho de ter que trocar as roupas de verão/inverno a cada mudança de estação (queria memso ter todas as minhas roupas no armário ao mesmo tempo) e as estações estão cada vez mais diluídas, ou seja, não há grande diferença entre elas.

No último post que escrevi sobre o assunto cheguei à conclusão que 65 peças seria o ideal, mas a verdade é que 60 é mais do que suficiente. Claro que um número é apenas um número. O que importa realmente é que a roupa que temos se adeque à nossa vida e nos faça sentir bem, portanto, que cumpra a sua função.

Como comprar a granel?

17 abril 2017

Na sexta-feira aproveitei o feriado para fazer as compras cá de casa. Confesso que agora com as compras a granel acabo por poupar muito mais dinheiro, pois vou muito menos vezes às compras. Gosto de acabar tudo aquilo que tenho em casa e esvaziar todos os frasquinhos e depois gosto de me preparar devidamente e ir às compras nas calmas. 
Portanto ter um dia extra na semana foi perfeito!

Liguei a bimby (para usar a balança) e pesei todos os frascos. A maior parte já tinha o peso (ou a tara) no fundo, mas com as lavagens acaba por ir saindo e já não se via muito bem. Podem fazer isto nas lojas, mas eu prefiro fazer em casa, assim não tenho que estar com essa preocupação na loja.
(Resumo com as principais dicas para comprar a granel no final do post, com exemplos de várias lojas)


Como regressar ou iniciar a prática de meditação?

12 abril 2017



Comecei a meditar há alguns anos (os benefícios são inúmeros e já foram confirmados pela comunidade científica) mas nunca tive uma pratica muito consistente.

A altura em que consegui ter alguma consistência foi também a altura em que meditava durante mais tempo, cerca de 45 minutos (mas estávamos 1h na posição de meditação). Foram 21 dias (dizem que precisamos de 21 dias seguidos para adquirir um novo hábito) e podia ter aproveitado a onda, mas isto aconteceu na altura em que tirei o curso de instructora de yoga, depois regressei ao trabalho, mudei completamente as rotinas e não soube adaptar à meditação aos meus dias.
Acabava por meditar quando sentia necessidade e apenas mantinha o hábito durante alguns dias seguidos, apenas quando conseguia meditar mal acordava.

Percebi agora que estava a complicar demasiado... "só posso meditar antes de nascer do sol" (eu acordo por volta das 6h), "só posso meditar de estômago vazio", "só posso meditar quando houver silêncio total", "só posso meditar quando a minha vida estiver mais tranquila"... 
Se estivermos à espera de todas estas condições, então é que nunca mais começamos a meditar...

Na escola onde pratico yoga, e onde às vezes dou aulas, tem havido uma prática de meditação mensal com o João Sá do Centro Budista do Porto