Já se fala em Desperdício zero na cidade do Porto

13 março 2017


No sábado tive oportunidade de ser oradora num debate sobre Gestão de Resíduos, inserido no ciclo de debates "O direito à cidade" a propósito da revisão Plano Director do Porto. Os meus colegas de mesa foram: Elisabete Moura da Quercus (moderadora); Emanuel Monteiro (Lipor) e Madalena Alves (professora e investigadora da Universidade do Minho). A Carmen Lima da Quercus não pode estar presente, então gravou um vídeo que foi apresentado na sessão.

Estes debates foram organizados por várias instituições, entre elas a Associação AMO Portugal, a Quercus e a Ordem dos Arquitectos. 

Podem ver mais informação aqui.

Que bom que é saber que há preocupação em torno destes temas!

Apesar de ter sido bastante focado na gestão dos resíduos, ou seja, como lidar com os resíduos a partir do momento em que estes são produzidos, tentei dar a minha perspectiva alertando para a necessidade cada vez mais premente de reduzirmos esses resíduos. 
E assim aproveitei para falar nos importantíssimos 5 Rs:
  1. Recusar aquilo que não necessitamos
  2. Reduzir o que necessitamos
  3. Reutilizar aquilo que consumimos
  4. Reciclar aquilo que não conseguimos recusar, reduzir ou reutilizar
  5. Fazer compostagem (Rot)

Tentei dar bastante enfase ao primeiro, alertando para a necessidade de reflectirmos se algo é efectivamente necessário e não nos deixarmos levar pelas supostas necessidades criadas pela sociedade de consumo em que vivemos. A crise económica que se instalou em Portugal há uns anos deveria ter servido para percebermos que conseguimos perfeitamente viver com menos e aquilo que consideramos absolutamente essencial muitas vezes não o é.


No final, achei que seria interessante mostrar, de uma forma prática, como se poderia adoptar algumas estratégias desperdício zero no nosso dia-a-dia. Então levei um saco de compras em tecido (podem ver na foto lá em cima no chão, no lugar onde está a minha garrafa) com várias maravilhas lá dentro:
  • Um saco para o pão em tecido - é só levar à padaria e pedir para o funcionário colocar o pão naquele saco, em detrimento dos sacos em papel
  • Um kit que anda diariamente comigo constituído por: saco em tecido onde guardo todo o kit e que dá ao mesmo tempo para comprar algum produto a granel; Boc'n'Roll que é um individual que faz de saco/guardanapo e dá para comermos comida na rua por exemplo; frasco de vidro que dá para comprarmos algo a granel (como frutos secos) ou para comermos um gelado em vez de ser num copo de papel ou plástico; kit de talheres para substituir por exemplo a pequena colher de gelado em plástico e ainda um guardanapo de pano
  • A minha escova de dentes em bambu, que é biodegradável e que substitui a tradicional escova em plástico
  • Sacos em rede para fruta e vegetais que substituem os sacos de plásticos transparentes que somos obrigados a utilizar nos supermercados para cada tipo de fruta/vegetais
  • Vinagre, o grande aliado das limpezas, que dá para limpar a cozinha, WCs e também funciona como amaciador da roupa
  • Bicarbonato de sódio que serve para limpar, desinfectar e eliminar cheiros
No debate foram discutidas algumas medidas que poderiam ser implementadas para que houvesse uma maior adesão da população à reciclagem. Falou-se no sistema PAYT (Pay as you throw), que consiste na atribuição de incentivos a quem efectua a correcta separação do lixo. Apesar de concordar com esta medida, referi que deverão existir outras medidas, uma vez que quem segue um estilo de vida desperdício zero seria prejudicado e deveria ainda ser mais incentivado a manter este estilo de vida. Assim falou-se também na possibilidade de as compras a granel terem IVA reduzido, por exemplo. Também referi que a ofertas de descontos em supermercados para quem evita utilizar embalagens ou para quem efectua a correcta separação do lixo seria uma óptima medida.

Dei ainda a sugestão de haver mais bebedouros pela cidade, para que possamos beber água directamente ou encher as nossas garrafas reutilizáveis. Temos água de óptima qualidade no Porto e deveríamos começar a consumir mais e a deixar de utilizar as garrafas de plástico, que são extramente poluentes.

Espero sinceramente que tudo aquilo que foi falado inspire a Câmara Municipal do Porto (que também esteve presente), a adoptar algumas medidas na revisão do seu Plano Director Municipal.

Penso que poderia ter estado mais gente se o evento tivesse sido mais divulgado, mas também entendo que estes temas não são muito populares e só quem está verdadeiramente interessado é que dispensa uma tarde de sábado para participar neste tipo de eventos.

O debate foi gravado pela rádio Manobras que tem transmitido todos os debates. Quando a gravação estiver disponível publico aqui.

Foi extremamente gratificante para mim poder estar presente e falar de um tema que tanto me apaixona.

6 comentários:

  1. Aposto que foi uma apresentação super interessante!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Beatriz, espero que sim, que tenha sido :)
      Beijinho

      Eliminar
  2. Ola que bom!!
    Cada vez mais este tema se aborda por um número maior de pessoas e isso é fantástico!
    Confesso que tu foste uma das pessoas que me abriu os olhos para este tema e agradeço-te muito por isso.
    Tem sido incrível ver o teu percurso. E felicito-te por tudo o que tens feito! Tens sido uma inspiração para mim e para muitas outras pessoas!
    Sente-se que acreditas no que nos falas e sabes que juntos podemos fazer a diferença!
    Parabéns minha querida! Continua pois estás num maravilhoso caminho, e não estás sozinha!!
    Beijinho enorme**

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Catarina, muito obrigada pela tua mensagem :)
      Acredito mesmo neste estilo de vida e acho que isso é o mais importante não é?
      Fico mesmo feliz por esta minha influência no teu percurso!
      Beijinho gigante*

      Eliminar
  3. Olá Ana, parabéns, que bom saber desta iniciativa no Porto, espero que brevemente em Lisboa também se inicie. Tenho feito o máximo para evitar de produzir lixo, gostaria de ter mais coragem e tempo para ir a luta, mas neste momento a minha princesa pede muita atenção, mas por ela e o seu futuro, vou ganhando coragem para avançar com os projetos e estou com muitas ideias para iniciar em breve. Sei que a falta de tempo não é desculpa e tu nisso tens mostrado e me dado o força para avançar, em breve darei notícias. Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Marlene, é óptimo teres essa consciência :) Vais fazendo aos poucos, o melhor que conseguires. Isso é o mais importante:)
      Beijinho*

      Eliminar