2.º Podcast Ana, Go Slowly: Simplificar o guarda-roupa

10 outubro 2016




https://soundcloud.com/anagoslowly/simplificar-o-guarda-roupa

Já se encontra disponível um novo episódio do podcast. Desta vez falamos de simplificar o guarda-roupa, de armário cápsula e de como destralhar esta área da nossa vida que nos consome tanto tempo.

No final respondemos às questões que nos foram deixando no blog. Por isso se tiverem questões ou sugestões deixem aqui no blog ou enviem e-mail, teremos todo o gosto em responder.


RSS Feed: http://feeds.soundcloud.com/users/soundcloud:users:251092330/sounds.rss

13 comentários:

  1. Gostei muito!
    No entanto, queria fazer alguns comentários:
    - eu também uso poucas carteiras: 3 no ano + saco para as férias (vou muito à praia!). Mas não sinto que se perde tempo a mudar as coisas de carteira. Então não se usa só o necessário na carteira? Não demora assim tanto. :-)
    - concordo que o melhor é ter a roupa toda acessível (em vez de estar a mudar de verão ou de inverno), mas creio que muita gente não consegue por questões de espaço. Penso que não tenho muita roupa, e em casa dos meus pais tinha a roupa toda acessível. Mas desde que casei que isso deixou de ser possível. Não ajuda ter uma casa pequena, com guarda-fatos pequeno e a ter de dividir com o marido... :-)
    - excelente reflexão sobre o equipamento de sky. Lol.
    - Tal como muita gente, muitas vezes custa-me separar-me da roupa. A menos que seja uma roupa que realmente depois acabo por não gostar, por exemplo porque não me assenta bem. Senão, não sou nada de fast moda (já não me recordo do termo que vocês usaram). E se eu sou assim, de certeza que muitas outras pessoas pensam como eu.
    Venha o próximo podcast!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, obrigada :)
      sim, para uma carteira com pouca coisa é mais rápido, mas mesmo assim é tempo gasto e eu prefiro não gastar tempo com isso :) Já me chega quando tenho que mudar as coisas para a carteira do fim-de-semana, aqui tenho que seleccionar o que vou mudar, pois algumas coisas só uso mesmo durante a semana por causa do trabalho.
      Em relação ao espaço, sim quem não tiver mesmo espaço deverá arrumar, mas no caso de muita gente não se tem espaço porque simplesmente se tem demasiadas coisas e é a esses casos que nos referimos no podcast :)
      Ainda bem que não és nada de fast fashion :)
      Beijinhos

      Eliminar
  2. O meu foco: ouvir o vosso podcast e arrumar o máximo de coisas possível durante esse tempo. Costumo fazer isso com o podcast do Alvim da antena 3. :-P O que é certo é que comigo resulta. Estou distraída naquele tempo e não custa nada. :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Ângela, boa dica :) E assim vais colocando as dicas logo em prática :)

      Eliminar
  3. Olá Ana. Só agora é que tive oportunidade de ouvir o podcast. Gostei imenso. Concordo com o que foi dito. Mas claro nem tudo se adequa a todas as pessoas. O importante é simplificamos a nossa roupa e os nossos armários de acordo com as nossas necessidades. Engraçado terem mencionado o facto de não concordarem com um dos métodos da Marie kondo, com o factor alegria. Eu sou muito fã dela e já li os dois livros dela mas nesse ponto concordo inteiramente com o vosso ponto de vista. Aproveito para vos agradecer as vossas dicas, o vosso tempo e trabalho. E também por te dar os parabéns pelo bebé que cresce dentro de ti. Beijinho enorme minha querida 💕

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Catarina, ainda bem que gostaste :)
      O bebé é da Sofia.
      Os parabéns serão entregues. obrigada :)
      Beijinhos

      Eliminar
    2. Fiz confusão então, mas claro dá os parabéns à Sofia na mesma!
      Beijinhos

      Eliminar
  4. Parabéns por mais um podcast. Adorei. Revi-me em muito do que descrevem. Ando a simplificar o meu guarda-roupa há uns anos porque decidi que seria um processo gradual, à medida que cada peça de roupa/sapatos deixasse de ter utilidade para mim (por estar desgastada ou já não cair bem). Claro que foram entrando peças novas, mas a lógica é sair mais do que o que entra. Claro que é caminho nada “radical”, que demora mais tempo, em que não se sente logo o efeito, mas respeita-se o ciclo de vida das peças de roupa/calçado e evita-se o consumo excessivo.
    Fico à espera dos próximos :D

    ResponderEliminar
  5. Gostei muito do podcast. Ouvi-o quando foi publicado. :)

    A única coisa que continuo sem compreender, e já tenho ouvido várias pessoas a referir o mesmo, é o facto da redução do guarda roupa se refletir numa menor quantidade de roupa para lavar. Eu lavo em função do que uso e não em função do que tenho por isso a quantidade de roupa para lavar manteve-se intacta...

    Recentemente li o livro da Marie Kondo. A Marie Kondo não é (necessariamente) minimalista (apesar de frequentemente se fazer esta associação). Ela tem é um enorme gosto e aptência para a organização, que desenvolveu desde criança (nisto identifiquei-me um pouco com ela - mais no gosto que na maestria). Aliás, ela mesma admite ter um transtorno clínico, pois é obsessiva. No YouTube estão disponíveis algumas apresentações dela onde ela mostra alguns antes e depois em casa de clientes e percebe-se bem que mesmo quem recorre aos seus serviços precisa apenas de alguma organização na própria vida. Não se trata de mudança de mentalidade ou paradigma. Achei o livro útil para ver as coisas (as minhas coisas literalmente e a minha vida) de uma perspetiva diferente. A Marie Kondo tem uma abordagem radical mas deu-me, sem dúvida, que pensar. Relativamente ao critério que ela usa; já tem sido interpretado por vários youtubers e bloggers da seguinte forma: fica aquilo que me alegra e aquilo que (não me alegrando) necessito diariamente (utensílios variados, etc). Acho que é um critério interessante mas não absoluto.

    Achei curioso o comentário da Clara Afonso. Eu estou a passar por uma espécie de crise de estilo e só me identifico, neste momento, com cerca de metade do meu guarda roupa (que é pequeno) e metade do meu calçado (que infelizmente ainda tenho em excesso). É nestas alturas que me sinto realmente indecisa pois por um lado custa-me desfazer-me daquilo que tenho só porque sim, por outro lado, metade daquilo que tenho não me faz sentir propriamente bonita e acho que é mesmo importante sentir-me bem em qualquer momento do dia e estas pequeninas coisas ajudam bastante.

    Fico a aguardar o próximo podcast. :)

    ResponderEliminar
  6. Olá Carmen, muito obrigada pelo comentário bem explicativo :)
    Então lavamos menos roupa porque no geral temos menos roupa e usamos mais vezes as mesmas peças. Quando se tem muita roupa há sempre a tendência de colocar tudo para lavar, mesmo quando usamos só um bocadinho! Depois também se usam mais peças (antes de ter o armário cápsula) porque não se tem a preocupação de usar peças que se possam usar sozinhas (há peças que são muito difíceis de combinar, pouco versáteis é que precisam de outras peças para ficarem bem)! Logo mais roupa para lavar... Acontece ainda outra coisa: quando usamos só as nossas peças favoritas cuidamos melhor delas :)
    Se tens peças que não te fazem sentir bem não uses, a sério! Isso era o que me acontecia com a roupa de andar em casa e mesmo em casa temos que nos sentir bem. Tenta vender ou simplesmente dá. Quando digo pra ficarmos com peças que são úteis mesmo que não gostemos assim tanto são peças um pouco indiferentes, não são peças que nos fazem sentir mal. Essas já não têm lugar no nosso armario pois no fundo já não estão a cumprir a sua função. Mesmo que fiques com bastante menos peças eu livrava-me dessas. Pensa nisso ;) beijinho

    ResponderEliminar
  7. (Ah, e o que eu queria escrever era aptidão e não apetência.)

    ResponderEliminar