Das lições da vida e de quando é preciso parar

06 abril 2015


Em Março, recebi um ultimato do meu corpo.

Cheguei a casa do trabalho e quis fazer speed cleaning, tratar do meu cão, lanchar, isto tudo a correr claro. Às 19h tinha aula de yoga e às 20:30 tinha um webinar sobre yoga. Saí da aula a correr (logo a stressar depois de uma aula de yoga, haverá coisa pior?!), cheguei a casa e quase nem consegui jantar, tive que ligar o computador e depois acabei por jantar enquanto assistia. Nem tinha fome, a comida quase nem passava, com o stress em que estava. Claro que ao chegar a casa me senti logo mal, estive com imensas dores no peito e pensei mesmo que me ia dar uma coisinha má! Pensei logo “é desta que aprendo que não vale a pena correr mais, o problema é que não vou ter a possibilidade de colocar este ensinamento em prática! 

Tentei acalmar-me, fazer exercícios de respiração, mas não me senti muito melhor. Já sabia o que tinha feito e por isso não havia grande coisa a fazer. Mas serviu-me de lição, aprendi que nunca mais o voltarei a fazer! É que nessa semana andei a abusar vários dias e no fim da semana atingi mesmo o meu limite!

Partilho esta situação contigo, porque se és como eu e queres optimizar tudo e encaixar várias tarefas na tua agenda, tens que perceber que isso nem sempre é possível... e que só te faz mal! Há coisas muito mais importantes na vida e se não conseguires fazer tudo, não faz mal! Fazes menos. Fazes o que for possível. 

Apesar de ter consciência de que devo fazer menos coisas e com calma, chega a hora e não adianta, faço tudo em modo automático e não penso! Sempre fui assim, orientada à tarefa e com a mania optimizar o máximo possível! Se estou na sala a ver tv e se me levanto levo logo uma série de coisas para fazer no caminho. Para algumas pessoas isto pode ser óptimo, mas a mim isto tem-me cansado muito! A minha cabeça está sempre a pensar na próxima tarefa. Não consigo simplesmente levantar-me só para ir ao wc, tenho logo que fazer 1001 coisas pelo caminho, porque não posso deixar nada para depois! Claro que posso. Posso e é isso mesmo que tenho que aprender a fazer!

Agora vem a parte boa!

Desde esse dia que tenho feito tudo nas calmas. Num dos dias em que costumo limpar a casa, posso dizer-te que cheguei a casa, lanchei, estive com o meu cão, depois estivemos a ver um episódio da minha série favorita e só no final limpei os wcs calmamente. Depois tratamos do jantar e jantamos. Tudo nas calmas, sem me preocupar se ia ser tarde ou não. Resultado? Fiz montes de coisas na mesma e senti-me bem, super relaxada e nada cansada!

Outro exemplo: outro dia quando cheguei a casa e depois de tratar das coisas habituais na calmas, o companheiro perguntou se não poderíamos fazer bolachas (pois não tínhamos feito no fim-de-semana). Nunca fiz bolachas durante a semana! Nunca houve tempo para isso! E nesse dia, como ligamos o forno para fazer o jantar, fizemos as bolachas e colocamos no forno assim que o jantar ficou pronto. Ainda comi uma bolachinha de sobremesa e adorei o cheirinho que ficou na cozinha. Se valeu a pena? Claro que sim!! Se fiquei cansada? Nada, nadinha! E porquê? Porque fiz tudo nas calmas, porque estava realmente a gostar do que estava a fazer e não encarei a tarefa como mais uma, daquelas chatas, que só dá trabalho e que eu só quero fazer para optimizar processos ou porque faz parte da to-do list!

Estou a descobrir que é mesmo importante fazermos as coisas porque gostamos realmente de as fazer e quando gostamos realmente de fazer algo, não queremos fazê-lo com pressas!

Por isso, faz como eu, reduz as tarefas que tens que fazer todos os dias, foca-te no essencial e faz o essencial nas calmas. Porque se o fizeres a correr, não vais tirar o verdadeiro prazer nem da tarefa nem de tudo o resto e isso é o mais importante de tudo! De que adianta ir a correr se depois no final do dia estamos mortas de cansaço?

Lição aprendida!

6 comentários:

  1. O corpo manda, e manda bem!
    Nos dias de hoje temos que andar sempre a correr e a optimizar recursos, tempo e tarefas... para sermos as mulheres maravilha e conseguirmos tudo e mais alguma coisa. E com a ajuda da internet, temos acesso a tudo e mais alguma coisa sobre organização e como existem pessoas que de 24 horas conseguem fazer 48 e que em vez de dormir 8 horas só dormem 3 e continuam maravilhosas... e "tocam todos os burros" (como se diz na minha zona).
    Isso é dos piores enganos da vida moderna!
    Ana, go slowly, o nosso corpo não foi feito para isto :) já cheguei à conclusão que temos que relaxar e voltar ao básico, senão somos "engolidas" neste mundo de stress.
    Beijinhos e boa semana, relaxada de preferência

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Catarina :)
      Vai ser relaxada sim.
      Beijinhos

      Eliminar
  2. Ando a ler o livro da Gretchen Rubi, o The Happiness Projec, que tem muita parvoíce lá pelo meio, mas fala deste princípio de aproveitar as coisas enquanto as fazemos ("enjoy the process"). Senão não passa mesmo tudo de uma grande correria e de um simples riscar de tarefas que não nos dá gozo nenhum.

    ResponderEliminar
  3. De fato, muitas vezes é preciso parar e focar no essencial. Tenho feito muito isso.

    Por outro lado, tenho tido uma ótima experiência nos últimos dias de fazer um pouco de tudo que gosto: estudo meu material da faculdade (pesquiso religião), penso sobre filosofia, escrevo ficção, toco violão, aprendo piano, aprendo a desenhar, etc. É claro que não dá para fazer tudo na vida. Mas tem sido bem legal pra mim fazer várias atividades diferentes. Tenho correlacionado as diferentes atividades de forma bem legal também: vejo como uma música se relaciona a tal desenho e filosofia, etc.

    ResponderEliminar
  4. Não podia concordar mais contigo. Por vezes, também eu ando assim de um lado para o outro. Há uns tempos, meti na cabeça que tinha de ter uma to-do list diária. Não sei se contigo se passou o mesmo, mas rapidamente percebi que aquilo não ia funcionar. Escrevi uma data de coisas que tinha de fazer e, no fim, não fazia nem metade, porque exigia de mais de mim. Comecei a stressar muito e a sentir-me mal sempre que não conseguia cumprir os meus objectivos. Hoje, já estou melhor e já consigo organizar-me de outra maneira e ter tempo para quase tudo, mas ainda há dias em que ando com o coração nas mãos e não consigo ter calma. Mas é preciso parar e respirar e focar a nossa atenção naquilo que vale a pena. :)

    Adorei ler! :)

    ResponderEliminar
  5. :)
    Ainda bem Ana, que estás a conseguir relaxar e fazer as coisas com outro ânimo!
    Há dias também eliminei as minhas to-do lists diárias... tento fazer as coisas quando têm que ser feitas, e não porque uma lista está a dizer que tem que ser... E também tenho conseguido relaxar mais um bocado...

    Beijinho!

    ResponderEliminar