Quase 30 e uma reflexão...

20 novembro 2014


Entre idas a Lisboa, um trabalho que me deixa de rastos e limpar cocós e xixis, sobra muito pouco tempo para o resto.

Por mais que tente simplificar e automatizar as coisas, sei que elas não podem diminuir mais, há coisas que simplesmente têm que ser feitas! Já baixei muito as expectativas sim, mas mais acho que não posso mesmo fazer!

E custa-me isto de admitir que não posso fazer mais porque eu quero sempre fazer tudo!

Por isso digo e repito: não me imagino com filhos, nunca seria possível. Já nos sentimos exaustos com o que temos, quanto mais com um ser totalmente dependente de nós e que exige tanto! Nem pensar!


Gostava que estas coisas fossem mais fáceis. Sei que já equilibramos mais ou menos as coisas, pois há uns tempos atrás dizia mesmo que era impossível termos um cão e agora que temos o nosso querido amigo vamos dando conta do recado, talvez não como gostaríamos, mas damos.


Só que gostava de ter tempo sobretudo para me dedicar a mim, para fazer uma reflexão à séria, pensar onde a minha vida me está a levar e se é isto que quero. Se quero continuar nesta carreira ou se quero sair, se quero experimentar novas coisas.

Se quero sair acho que deveria fazê-lo já! Mas para onde?

Talvez deva aceitar que a vida é isto e pronto. Não espero mais nem me chateio mais. Só que o problema é que eu não me conformo! Não quero acreditar que a vida seja este corre corre de uma tarefa para a outra, que nem nos deixa respirar, que seja um jogo de autêntico equilíbrio e malabarismo.

Quero uma vida mais simples... Não quer isto dizer que não deva ter os seus desafios (claro que tem que ter, senão era uma seca), mas caramba, não tem que ter desafios quase todos os dias ou todas as semanas!

Já sei que tem que haver chatices, constrangimentos e problemas senão a vida era demasiado chata. Mas estou prestes a fazer 30 (esse grande marco!) e será que é assim que quero continuar até chegar aos 40?

Eu diria que não sinceramente. Mas também me sinto sem saber bem o que fazer... Parece que tenho que tomar grandes decisões já, mas também não sei o que decidir, simplesmente porque não tenho tempo para pensar!

Eu sei que deveria estar feliz com os meus 30 anos porque há toda uma série de coisas positivas à minha volta e que eu nunca pensei que tivesse, aos 30!

Mas porquê que nos centramos tanto na parte negativa, naquilo que não está bem?

Porquê que não nos contentamos mais com o que temos?

Aposto que isto tudo tem a ver com os 30! O peso da idade está a começar finalmente a pesar!

Isso e a ideia de que quero que as coisas mudem e como 30 é aquele marco, as coisas têm que mudar agora e pronto!

Às vezes esta minha cabecinha pensa mesmo demais!

E se pensasse nas coisas certas? Em tudo o que conquistei até aos 30? Talvez fosse melhor usar a minha rica cabecinha para estas coisas....


Há uns anos atrás nunca me imaginaria assim, aos 30! Confesso que não!

Não pensava sinceramente que iria morar onde moro, praticar yoga e ter a pessoa que tenho ao meu lado. Muito menos pensava em ter um cãozinho!! É verdade que aconteceram coisas muito boas. Não sabia que ia ter um blog. Não sabia que estaria no trabalho onde estou actualmente (que apesar de coisas menos boas tem coisas muito positivas). Nunca imaginaria que iria conhecer Sagres (eu que há tanto tempo queria lá ir...). Enfim, tantas outras coisas...

Simplesmente adoro o sítio onde vivo, adoro a minha casa e adoro com quem a partilho. Finalmente sinto a família completa. Não poderia estar mais feliz! Os rapazes cá de casa dão-se super bem! E eu adoro vê-lo juntos :)


Os 30 podem ser ainda muito mais e isso só depende de mim! :) Bora lá mudar a cabecinha para os pensamentos positivos!


3 comentários:

  1. Bom dia Ana!
    Acabei de ler o teu post e senti-me tanto nas tuas palavras, embora já tenha passado os 30.
    A verdade é que há sempre aqueles momentos em que nos questionamos, que temos dúvidas, que nos baralhamos, enfim isto também é viver. Acredito que tudo acontece por uma razão e se muitas vezes nos sentimos assim é porque é preciso.
    Já te disse antes mas volto a repetir, gosto muito de ler o teu blog, é bom reverm-nos nas palavras de outras pessoas, e muitas vezes através disso ver as coisas de outras perspectivas.
    Obrigada, fez-me muito bem ler isto.
    Beijinho e tem um bom dia!

    ResponderEliminar
  2. Olá Ana! Talvez seja só uma fase de "confusão mental" em relação ao trabalho...acho que por mais que gostemos do que fazemos há sempre dias ou situações que nos fazem questionar se este trabalho é o que mais nos completa! Não desanimes, tenta arranjar um tempinho para fazeres uma reflexão sobre isso, põe os pesos na balança e vê o que o teu coração diz! Beijinho

    ResponderEliminar