Simplificar e ter uma vida saudável - parte II

20 março 2014


Exercício físico


Comigo, também aqui, funciona o mais simples. Já frequentei vários ginásios, mas pouco tempo depois cansava-me, havia ali qualquer coisa (ou mais do que uma) com a qual não me identificava e por causa disso acabava por desistir. Definitivamente não sou pessoa de ginásios (mas se tu fores, boa, força nisso!).

Quando comecei a viver junto da praia, a forma como via o exercício físico foi mudando. Muitas vezes fazia caminhadas simplesmente para ouvir o mar e sentir o sol. O bom disso tudo é que ao fazê-lo estava também a exercitar o corpo (caminhava a um bom ritmo) e a mente (ia meditando e reflectindo, ainda sem saber bem o que isso era e o bem que me fazia).

Depois quis caminhar mais rápido ainda e vieram as corridas. 

Percebi que o mais difícil é mesmo vestir e calçar-me (é nesta fase que dá a preguiça). Assim que saio de casa só quero correr sem parar. Por isso quando não tenho vontade de fazer exercício já sei que devo concentrar-me na parte do “veste-te, calça-te e anda (ou sai de casa)”. Depois disso é canja! Deixar a roupa preparada também ajuda e simplifica o processo. 

Descobrir o yoga não foi tão linear como a corrida. Sempre corri para todo o lado e sempre fui apressada e stressada, por isso a corrida coaduna-se bem com tudo isto. O yoga é precisamente o contrário, exige-nos uma concentração enorme (a corrida também exige, mas mais nas mais longas), o estarmos ali naquele lugar e lidarmos connosco próprios. 

Todas as mudanças que fui fazendo desde que descobri o minimalismo permitiram-me ser capaz de praticar yoga e sentir os seus verdadeiros benefícios. Posso mesmo dizer que sou uma pessoa mais feliz desde que comecei a praticar! Antes de ter aulas já fazia algumas asanas em casa, mas ainda não tinha o sentido de compromisso que tenho agora. Eram mais alongamentos do que propriamente yoga. Desde que comecei a ter aulas, a atitude mudou e agora levo o yoga mesmo a sério. Adoro saber mais sobre o assunto, dizer os nomes das asanas em sânscrito e acordar sabendo que a primeira coisa que vou fazer (depois de tomar água quente com limão) é a saudação ao sol!

Claro que o yoga, assim como a corrida podem não ser os exercícios ideais para ti. Não faz mal, vai experimentando várias coisas até descobrires o que gostas mais. Quando descobres o que gostas, o exercício deixa de ser uma obrigação e passa a ser um prazer.

O importante é nos mexermos um bocadinho todos os dias.

E por falar em mexer, o exercício físico não é só aquela parte do dia em que vamos dar uma caminhada ou em que vamos ao ginásio. O exercício físico deve fazer parte da nossa vida e do nosso dia-a-dia, sempre! Por isso anda mais vezes a pé, estaciona o carro mais longe (qual é a necessidade de estacionarmos o carro quase dentro de casa ou do local onde vamos?), sobe e desce escadas e usa menos o elevador (só uso mesmo se estiver carregada de sacos). Tudo isto contribui aos pouquinhos para sermos mais saudáveis e termos mais energia. E andar a pé é sempre mais agradável, reparamos nas pessoas, nos animais, no ambiente que nos rodeia. Muito melhor do que andar de carro! Ah e se puderes andar de bicicleta, melhor ainda (eu não tenho, mas se tiveres usa-a mais vezes!).


Limpeza verde


Demorei um bocadinho até começar a usar apenas produtos naturais na limpeza da casa. Sempre gostei muito de limpar e gostava de experimentar vários produtos e usar os melhores. Usava um produto diferente para cada coisa. Afinal é o que dizem na televisão, um produto para as gorduras, outro para os balcões, outro para o fogão, outro para os WCs… Assim sabemos que iremos ter resultados perfeitos! Mentira, não é nada! Os produtos são quase todos à base dos mesmos componentes e pior, fazem quase todos mal, a nós e ao meio ambiente.

Antes de pesquisar informação sobre o assunto, achei que ia ser complicado deixar de usar os produtos que usava e passar a usar produtos naturais (ou feitos por mim ou comprados), mas não é, é muito simples até. Decidi que o ia fazer aos poucos (como tudo, até porque não queria deitar coisas fora). À medida que ia acabando um produto ia substituindo pela versão natural. Mas antes de comprar pesquisei bastante informação sobre o assunto: quais os produtos que poderia comprar e onde. Assim quando tivesse que comprar não caía na tentação de voltar a comprar o mesmo produto que usava até então. Melhor de tudo, passei a usar muito menos produtos (acho que reduzi a quantidade para metade).




No meu pinterest guardei também algumas dicas.

Podes encontrar estes produtos nos hipermercados (alguns até de marca branca) e nas lojas especializadas, como a celeiro-dieta.


E quanto aos produtos de higiene pessoal?

Aqui ainda é mais importante optarmos por alternativas saudáveis, uma vez que usamos estes produtos directamente na nossa pele/corpo. Não é só uma questão de evitar usar produtos que são testados em animais, os produtos estão cheios de químicos, muitos contêm derivados do petróleo e substâncias que nos provocam alergias e irritação.
Além disso, também aqui consegui reduzir quase para metade aquilo que usava. A sociedade em que vivemos cria imensas necessidades que não são na realidade necessidades, é mais um creme para isto, outro para aquilo, um produto para as pontas do cabelo, outro para a raíz... Prefiro usar poucos produtos mas de qualidade.

Podes encontrar alguns destes produtos na celeiro-dieta e recomendo ainda outras duas lojas:

Organii (tem lojas no Porto e em Lisboa).

Escolhas biológicas (loja online). 


Cuidar do meio ambiente


Acho que hoje em dia todos tentamos ter algum cuidado com o meio ambiente. Fala-se em todo o lado da importância de apagar as luzes, fechar a torneira, não deixar aparelhos em standby.

Mas hoje em dia já não é só importante reciclar, é também importante reduzir. A quantidade de plástico que cada um de nós usa todos os dias é impressionante (confesso que aqui ainda tenho muito para melhorar). Tudo vem embalado, às vezes em duas ou mais embalagens ou papéis plastificados. Portanto o segredo é reduzir, comprar coisas a granel, preferir as versões sem embalagens e usar sacos reutilizáveis.

Por isso passei a beber água filtrada. Incomodava-me mesmo a quantidade de plástico que gastávamos. Já para não falar no peso e no trabalho que era transportar aqueles garrafões todos até casa. Para além de ajudarmos o ambiente, ainda melhoramos a nossa qualidade de vida!

Reduzir o consumo no geral ajuda-nos em muitas coisas. Poupamos dinheiro, ganhamos tempo (é muito melhor passarmos tempo com a família do que andarmos a passear em shoppings ou supermercados), temos menos coisas para cuidar (lavar, organizar, limpar…). Por isso pensa bem antes de comprar seja o que for. Precisas mesmo? Podes substituir por outra coisa que já tenhas em casa? Podes comprar uma peça de roupa mais cara mas com mais qualidade em vez de 4 mais fracas? É importante fazermos compras bem pensadas, dar primazia à qualidade em vez da quantidade e investir na economia local. 

Com a pressa acabamos muitas vezes por comprar o que está à mão, ou seja, em hipermercados e em shoppings. Eu também faço muito isso e por isso aos pouquinhos estou a tentar comprar em mercados e lojas de comércio tradicional. Tenho andado a aprofundar o assunto e espero em breve publicar um post sobre o tema.


A ideia principal deste post é mesmo mostrar-te que é possível ter uma vida saudável e simples sem grande esforço. Claro que não precisas de seguir todas estas regras à risca nem de uma vez só. O ideal é mesmo implementares uma coisa de cada vez e, claro, implementares apenas aquilo que faz sentido na tua vida. 


Uma coisa muito importante, praticamente todas estas coisas que referi estão interligadas. Quer isto dizer que começando a fazer uma, o mais certo é que continues a seguir a lista. Um hábito saudável leva-te mesmo a outros hábitos saudáveis e o que começou com um simples hábito acaba por traduzir-se num novo estilo de vida. Eu comecei com a alimentação vegetariana e isso acabou por me levar a todos os outros (e até demorei alguns anos até introduzir alguns dos hábitos de que falo aqui na minha vida). Como disse, depende muito da fase da vida em que nos encontramos. Por isso se estás com vontade de ter uma vida mais saudável, força! Vais ver que compensa muito e serás muito mais feliz :)

1 comentário:

  1. Adorei estes dois posts que fizeste a vida saudável, acho que vão ser uma enorme ajuda e inspiração a muita gente, para mim também apesar de já ter muitos dos hábitos que falas :) Agora o que falta mesmo é a corrida! Não moro ao pé da praia mais moro ao pé do rio, que tem uma ciclovia e pista pedestre maravilhosa mas é como dizes, a preguiça de levantar, calçar e sair de casa dá cabo de tudo, porque depois quando começo sinto-me óptima! E eu gosto de correr de manhã, mas depois com o cansaço acumulado só me apetece ficar a dormir nas manhãs de folga, tenho de trabalhar isso e obrigar-me a levantar!

    um beijinho e obrigada pelas referências que fizeste ao blog :)

    ResponderEliminar