Uma lasanha e uma vida minimalista

27 novembro 2013


Chego a casa, cuido de mim, bebo um chá e ligo ao meu pai para combinarmos a surpresa que iremos fazer no aniversário da minha mãe.

Penso no jantar e dá-me vontade de comer lasanha. Com o frio que está lá fora sabe bem um prato bem quentinho. Antes de ter escolhido este caminho minimalista, da escolha do que faz sentido e da recusa do que não interessa, a lasanha ficava reservada para os fins-de-semana, quando havia tempo e disposição para cozinhar. O mais certo era mesmo comprar uma lasanha pré-preparada e colocá-la no forno. Era mais rápido, dava menos trabalho. Afinal não havia tempo. Havia tantas outras coisas para fazer, tantas coisas para arrumar, tantas coisas em que pensar.

Agora posso dar-me ao luxo de fazer lasanha ou qualquer outro prato mais demorado em qualquer dia da semana. Consigo sair cedo do trabalho (porque entro cedo e também porque organizo bem as tarefas e não perco tempo com distracções e conversas), a casa está arrumada e a cozinha também, já não há tralha nos balcões.

Ao eliminar muitas das coisas que me ocupavam a cabeça e preenchiam os dias, descobri que gosto mesmo muito de cozinhar e com tempo posso dedicar-me a esta minha paixão e posso alimentar bem a família. Sim porque apesar de sermos "apenas" dois somos uma verdadeira família e eu encaro esta tarefa como muito importante. Por isso, gosto de me dedicar à família, de mimá-la e de cuidar dela e a alimentação é das coisas mais importantes.

A lasanha quentinha de hoje é só de de espinafres e cenoura e a massa é biológica e integral. Não usei molho bechamel, apenas leite de soja e portanto é uma lasanha saudável e pouco calórica. Para acompanhar decido fazer um salteado de brócolos e couve-flor com piri-piri.

Enquanto o forno trata da lasanha (e a comida de forno é boa por isto, o forno é nosso amigo), escrevo este post e no fim ainda vou ver uma série.


Obrigada minimalismo por teres entrado na minha vida e me dares tranquilidade e tempo para me dedicar àquilo que mais gosto!

4 comentários:

  1. Que bacana! Que coisa boa é a gente poder se dedicar as coisas que gosta. Assim nossa vida se torna muito mais gostosa de ser vivida, né?

    Abraço!

    ResponderEliminar
  2. oi Ana, gostei demais deste seu post! Muito bom conseguir se ocupar com o que realmente importa.
    Abraço,

    ResponderEliminar
  3. Fantástico, Ana! É mesmo para isto que serve o minimalismo :)

    ResponderEliminar